A “literatura pixelada” e o imaginário infantil

     De castelos medievais e batalhas com esqueletos a dinossauros, zumbis e exploração subterrânea, o jogo Minecraft se popularizou como um dos mais versáteis dos últimos anos. Lançado originalmente em 2009 para computadores, o game hoje se encontra em praticamente todas as plataformas de videogame, além de tablets e smartphones, chegando à incrível marca de mais de 70 milhões de cópias vendidas e esse número ainda sobe, tornando-o uma das marcas mais populares e rentáveis do mundo dos jogos.

     Mas o que faz o game dar tão certo? Muitas vezes comparado com uma versão digital do brinquedo LEGO, Minecraft dá ao jogador ferramentas para criar o mundo que quiser. Tudo, desde o chão até as árvores e água, é feito de blocos de materiais diferentes, que quando misturados podem formar todo tipo diferente de construção. O jogador pode criar ferramentas para conseguir “minar” mais materiais e construir praticamente qualquer coisa que sua imaginação desejar. É um ciclo que torna o jogo viciante e complexo ao mesmo tempo.

     O que o jogo não tem, no entanto, é qualquer narrativa. Não existe começo, meio ou fim para o game, porque ele funciona mais como uma caixa de ferramentas. Isso poderia ser um problema, não fosse a criatividade de muitos Youtubers, criadores de vídeos para a internet, que começaram a fazer séries gravando sua jogatina e criando suas próprias histórias ao jogar. A mistura deu muito certo, especialmente entre o público infantil, e existe toda uma leva de jovens Youtubers que conseguem viver apenas de seus canais focados exclusivamente em Minecraft.

     Agora, alguns desses criadores de conteúdo querem apostar no mercado literário, escrevendo livros que recontam as aventuras vividas no jogo e focados no público infantil. Entre alguns desses títulos, Authentic Games - Vivendo Uma Vida autêntica”, é o número um de vendas na Feira do Livro de Santa Maria esse ano.

Livro "AuthenticGames - Vivendo Uma Vida Autêntica" é o mais vendido da Feira do Livro de Santa Maria (Foto: Marcos Kontze)

Livro sobre o jogo Minecraft é o mais vendido da Feira do Livro. (Foto: Marcos Kontze)

Conheça o autor

     Youtuber e autor do livro “Authentic Games - Vivendo Uma Vida Autêntica”, o mineiro Marco Túlio de 19 anos, conta que seu canal na internet o ajudou a perder a timidez, e que se inspirou em outro canal para criar o seu próprio conteúdo. Marco revela que as possibilidades do game em poder fazer o que quiser foram o que mais lhe interessou no jogo. “Ele não te limita, você vai até onde a sua criatividade for.”

     AuthenticGames, pseudônimo usado por Marco, revela que não foi possível colocar tudo o que queria no seu livro, e que muitas histórias ficaram de lado. “As principais e as mais legais estão lá. Pode ser que as histórias que ficaram de fora venham em um próximo livro, em uma sequência, quem sabe?”, ressalta.

E o que os pais acham?

     Para Edinéia de Castro, 38, mãe do Lucas, 5, o jogo desperta a criatividade e a imaginação nas crianças. “Percebo um aumento na curiosidade ao montar as peças, e também ajuda na memória de quem joga”, ela destaca. Ainda, segundo Edinéia, Lucas passa cerca de quatro horas por dia assistindo a vídeos do jogo no Youtube, mas só joga nos finais de semana.

     Manuela Michelotti, 10, conta que conheceu o jogo por meio de colegas na escola. Ela está na 6ª série, e revela que tanto “os guris quanto as gurias jogam Minecraft”. Para ela, as inúmeras possibilidades proporcionadas pelo game, são o grande diferencial. “Tu pode fazer um monte de coisa. Criar casa, andar de barco, pescar [...] Jogo cerca de uma hora, quase todos os dias”, assume.

     Apesar do estranhamento por parte de alguns, este subgênero literário encontra-se entre os favoritos das crianças e não deve passar despercebido. Agora, se essa nova mania vai continuar ou dar lugar para uma nova “febre do momento”, só o tempo dirá. Até lá, espere ver e ler muito sobre o mundo digital de Minecraft.

Matéria desenvolvida por Luciano Vieira e Marcos Kontze.